Início / Cirurgia / Cirurgia para Remoção ou Tracionamento Ortodôntico de Caninos Inclusos / Impactados

Cirurgia para Remoção ou Tracionamento Ortodôntico de Caninos Inclusos / Impactados

banneradsense2

Depois dos terceiros molares inferiores e superiores, o dente mais comumente impactado é o canino maxilar.

CIRURGIA PARA TRACIONAMENTO ORTODÔNTICO DE CANINOS INCLUSOS/IMPACTADOS

tracionamento de canino imagem 1Quando um canino encoberto está posicionado de forma que a manipulação ortodôntica possa auxiliar no próprio posicionamento, o dente poderá ser exposto e então colocado um bracket. Um retalho é criado a fim de permitir que o tecido mole seja reposicionado apicalmente, podendo ser necessário para máxima queratinização do tecido manipulado. O tecido ósseo de recobrimento é então removido com o número de brocas necessário. Logo que a área seja desbridada , a superfície do dente deverá ser preparada pelos procedimentos usuais para aplicação do ácido e o adesivo. O bracket é então fixado na superfície do dente. Um fio de aço pode ser usado para conectar o bracket ao aparelho ortodôntico, ou, mais comumente, uma corrente de ouro é fixada ao bracket ortodôntico e ao fio ortodôntico. A corrente de ouro promove elevado grau de flexibilidade e a incidência de ruptura da corrente é muito menor que a do fio de aço. O tecido mole é então suturado de forma a prover o máximo de cobertura ao tecido exposto com tecido queratinizado. Assim como o dente é tracionado para o lugar com o aparelho ortodôntico, o tecido mole circundante do dente, novamente posicionado deve ter tecido queratinizado adequado e o dente deve estar em uma posição ideal.

Se o dente estiver posicionado em direção a face palatina. o dente poderá ser reposicionado ou removido. Se o dente for reposicionado, será cirurgicamente exposto e guiado de forma ortodôntica para sua posição. Nesse procedimento o tecido de recobrimento será excisado e retalhos não serão necessários para obter tecido aderido. Por ser o osso do palato mais espesso, uma broca é quase sempre necessária para remover o osso de recobrimento. O dente exposto é então manejado da mesma forma como o dente posicionado vestibularmente.

Protocolo Clínico (Passo a Passo) para tracionamento ortodôntico de Caninos Inclusos no Palato:

  1. Anestesia dos nervos nasopalatino e palatinos maiores (direito e esquerdo).
  2. Descolamento mucoperiosteal da mucosa palatina de molar a molar.
  3. Identificação de região protuberante
  4. Osteotomia para descobrir a porção coronária dos elementos dentais
  5. Colagem de brackets nos elementos dentais (ataque ácido+adesivo+resina composta anexa ao braket)
  6. Sutura intra papilar em todas as papilas descoladas.

Veja o caso clínico abaixo:

  1. O canino superior encontra-se impactado e posicionado palatinamente. O dente deve ser exposto ao posicionamento apical do retalho para preservar a gengiva inserida.
  2. O retalho mucoperiosteal é contornado, permitindo o reposicionamento da mucosa queratinizada sobre o dente exposto. Quando o retalho é rebatido, um fino osso de recobrimento é removido.
  3. O tecido é retraído e o dente unido ao fio ortodôntico com um fio de aço ou uma corrente de ouro. O retalho é suturado apicalmente ao dente.
  4. Resultado depois de 6 meses, onde o dente exposto já se encontra na posição desejada, com uma extensa faixa de gengiva inserida.

tracionamento de canino

 

Veja alguns vídeos abaixo:

CIRURGIA PARA REMOÇÃO DE CANINOS INCLUSOS/IMPACTADOS

caninoSe o dentista decidir pela remoção do dente, ele deverá analisar com antecedência se o dente está posicionado vestibularmente ou em direção palatal, ou no meio do processo alveolar. Se o dente estiver na face vestibular, um retalho de tecido mole poderá ser rebatido para permitir a remoção do osso que recobre o dente. Entretanto, se o dente estiver na face palatina ou na posição intermediária vestibulopalatina, sua remoção será muito mais difícil. Por esta razão, quando o canino maxilar impactado é acessado para remoção, a avaliação mais importante para o cirurgião-dentista é a da posição vestibulopalatina do dente.

Procedimento Cirúrgico

Os princípios e passos para a remoção de dentes impactados são os mesmos para outras extrações cirúrgicas. Cinco passos básicos compõem a técnica:

1-Ter adequada exposição da área do dente impactado. Isso significa que o retalho de tecido mole deve ser de dimensão adequada a fim de permitir que o cirurgião retraia o tecido mole e realize a cirurgia necessária sem sérios danos ao retalho.
2- Avaliar a necessidade de remoção óssea e retirar a quantidade suficiente de osso para expor o dente para qualquer secção necessária e remoção.
3- Quando necessário, dividir o dente com broca para permitir a extração sem remover, desnecessariamente grande quantidade de osso. o ponto de apoio também deve ser localizado nesse passo.
4- O dente seccionado ou não, é removido do processo alveolar com alavancas apropriadas.
5- Na área da elevação é alisado com uma lima para osso; a ferida é copiosamente irrigada com solução fisiológica estéril, e o retalho é reaproximado com suturas.

Protocolo Clínico (Passo a Passo) para remoção de Caninos Inclusos no Palato:

  1. Anestesia dos nervos nasopalatino e palatinos maiores (direito e esquerdo);
  2. Descolamento mucoperiosteal da mucosa palatina de molar a molar;
  3. Identificação de região protuberante;
  4. Osteotomia para descobrir os elementos dentais;
  5. Anestesia local nos limites circundantes dos elementos;
  6. Utilização de elevadores reto e curvos, para observar a movimentação do dente. (Caso necessário, realizar uma maior osteotomia na região que circunda os elementos dentais, associando com o uso dos elevadores. É necessário a utilização dos elevadores na tentativa de movimentação dos dente. Eles quem os guiará na quantidade e localização da osteotomia);
  7. Remoção dos elementos dentais;
  8. Remoção do capuz pericoronário;
  9. Irrigação com digluconato de clorexidina 0,12%;
  10. Sutura intra papilar em todas as papilas descoladas.

Fonte de Pesquisa: Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea  – James Hupp, Edward Ellis III, Myron Tucker. 5ª Edição. Editora Elsevier.

Agradecimento ao meu futuro Colega de Profissão Evandro Farias A. Jr. que contribuiu com a publicação desse Artigo.

COMPARTILHE ESTE ARTIGO:

Comente Aqui!

Comentário(s)

Sobre Dr. Daniel Moreira de Bulhões

Cirurgião-Dentista graduado em Odontologia pela Universidade Federal de Alagoas- UFAL. Empresário e sócio proprietário da MOLART, loja de presentes exclusivos e criativos para dentistas. Ex-bolsista CAPES nos Estados Unidos durante o “Brazil Scientific Mobility Program” na University of Kentucky. Foi professor voluntário de Saúde Bucal dos cursos de extensão da Faculdade FACIMA para a Terceira Idade, estagiário do Ministério da Saúde no PET-Saúde, presidente e fundador da Liga de Prótese Dentária, três vezes monitor de Prótese Dentária na Clínica Integrada da UFAL, membro da comissão de tecnologia da informação e comunicação do CRO/AL e Presidente do Centro Acadêmico de Odontologia CAO-UFAL. Se aperfeiçoou em Cirurgia buco dentária, em Odontologia Estética, e atualmente está se aperfeiçoando em Endodontia e Dentística pelo Instituto Odontológico do Nordeste – IDENT. Venceu três prêmios como melhor Blog de Saúde, Cultura e Educação. É autor-responsável pelo Blog Profissão Dentista, Digital Influencer e Webmaster com experiência em Mídias Sociais e Marketing Digital na Odontologia.

Veja Também!

Festa de 07 anos do PROFISSÃO DENTISTA

Como o tempo passou rápido, não foi? Sem perceber, o Blog Profissão Dentista completou 07 ...