Início / Curiosidades / Xerostomia – Boca seca

Xerostomia – Boca seca

banneradsense2

A Xerostomia é a sensação de boca seca e está frequentemente associada à deficiência ou hipofunção da glândula salivar.

CAUSAS DA XEROSTOMIA

  • Desenvolvimento imperfeito da glândula salivar;
  • Perda de água e Metabólitos: Deficiência na ingestão de líquidos, Hemorragia, Vômito/diarréia;
  • Origem Iatrogênica: Medicações, radioterapia da região de cabeça e pescoço; quimioterapia.
  • Doenças Sistêmicas: Síndrome de Sjögren, Diabetes melito, Diabetes insípido, Sarcoidose, infecção por HIV, Infecção pelo vírus da Hepatite C, Desordens psicogênicas.
  • Fatores Locais: Mastigação diminuída, Tabagismo, Respiração bucal.

Xerostomia na velhice

A xerostomia é um problema comum em idosos, ma a redução da função salivar durante a velhice não é tão significante quanto pensávamos, mas sim moderada. A xerostomia em idosos é causada não por conta da idade, mas por outros fatores, especialmente medicações.  Atualmente sabemos que mais de 500 medicamentos podem causar a xerostomia como efeito colateral, inclusive 60% das drogas mais prescritas.

Drogas mais comuns associadas à Xerostomia

  • Anti-histamínicos: Difenidramina, Clorfeniramina;
  • Descongestionantes: Pseudoefedrina;
  • Antidepressivos: Amitriptilina; Citalopram, Fluoxetina, Paroxetina, Sertralina, Bupropion.
  • Antipsicóticos: Derivados da fenotiazina, Haloperidol;
  • Agentes Ansiolíticos e sedativos: Diazepam, Lorazepam, Alprazolam.
  • Anti-Hipertensivos: Reserpina, Metildopa, Clorotiazida, Furosemida, Metoprolol, , Bloqueadores de canais de cálcio.

OBS: Essas drogas além de produzirem boca seca sua prevalência aumenta em relação ao número total de medicamentos que o indivíduo usa, independente de ser uma medicação individual xerogênica ou não.

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS

  • Redução da secreção salivar;
  • Saliva residual apresenta-se espumosa ou espessa, formando fios de saliva na boca;
  • Mucosa oral parece seca;
  • Dorso da língua fissurado e com atrofia das papilas filiformes;
  • Paciente possui dificuldade em para mastigar e deglutir;
  • Paciente pode relatar que alimentos aderem à mucosa oral durante a alimentação.
  • Esses pacientes são mais susceptíveis às cáries dentárias, especialmente as cervicais e as de raiz.

OBS: Pacientes com queixa de boca seca podem se apresentar com fluxo salivar normal e pacientes que não se queixam de boca seca podem não apresentar um fluxo salivar normal. Ou seja, os achados clínicos nem sempre correspondem aos sintomas do paciente.


TRATAMENTO E PROGNÓSTICO

  • O tratamento da Xerostomia não é fácil, na verdade é bem complicado e geralmente não é satisfatório.
  • Salivas artificiais podem ajudar o paciente a ter mais conforto;
  • Goles de água ao longo do dia podem ajudar;
  • Mastigar balas sem açúcar podem estimular o fluxo salivar;
  • Uso de produtos de higiene oral contendo lactoperoxidase, lisozima e lactoferina (ex: Creme dental e Enxaguante bucal da Biotène e Oralbalance gel);
  • Suspensão, substituição ou diminuição da dose da medicação utilizada pelo paciente em consulta com o médico do paciente podem ser consideradas;
  • A Pilocarpina sistêmica é um antagonista parassimpaticomimético que pode ser usado em doses de 5 a 10 mg, três a quatro vezes por dia, sendo eficaz na promoção de secreção salivar. (Contudo o excesso de sudorese, o aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial são efeitos colaterais);
  • Pacientes com xerostomia necessitam de aplicação tópica de flúor tanto no consultório quanto em casa devido ao elevado potencial de cáries dentárias.

Fonte de Pesquisa: Patologia Oral e Maxilofacial – Neville.

COMPARTILHE ESTE ARTIGO:

Comente Aqui!

Comentário(s)

Sobre Daniel Moreira

Graduando em Odontologia pela Universidade Federal de Alagoas- UFAL. Ex-bolsista do Programa Ciências Sem Fronteiras (Brazil Scientific Mobility Program) na University of Kentucky nos Estados Unidos. Presidente da Liga Acadêmica de Prótese Dentária da UFAL, técnico em Prótese Dentária pelo SENAC-AL, monitor de Prótese Clínica da UFAL e monitor do Projeto Trauma Dental. Foi professor voluntário de Saúde Bucal dos cursos de extensão da Faculdade FACIMA para a Terceira Idade, estagiário do Ministério da Saúde no PET-Saúde, membro da comissão de tecnologia da informação e comunicação do CRO/AL e Presidente do Centro Acadêmico de Odontologia CAO-UFAL. Se aperfeiçoou em Cirurgia buco dentária e atualmente está se aperfeiçoando em "Odontologia Estética" (Dentística) e em Endodontia pelo Instituto Odontológico do Nordeste - IDENT. Venceu três prêmios como melhor Blog de Saúde, Cultura e Educação. É autor-responsável pelo Blog Profissão Dentista, Digital Influencer e Webmaster com experiência em Mídias Sociais e Marketing Digital.

Veja Também!

Periodontites: Enfermidades que acometem o Periodonto de Inserção

ENFERMIDADES QUE ACOMETEM O PERIODONTO DE INSERÇÃO (Periodontites)   PERIODONTITES Processo infeccioso causado por microrganismo ...