Início / Curiosidades / MOLDAGEM ANATÔMICA EM PRÓTESE TOTAL

MOLDAGEM ANATÔMICA EM PRÓTESE TOTAL

banneradsense2

MOLDAGEM ANATÔMICA (PRELIMINAR OU INICIAL) EM PRÓTESE TOTAL

Em prótese total nós realizamos dois tipos de moldagem, a primeira delas é a preliminar/anatômica que tem o objetivo de obter um modelo de estudo. Esse modelo de estudo serve para confecção de uma moldeira individual que será utilizada para uma segunda moldagem, a moldagem funcional ou final ou corretiva (nela o CD deve realizar o tracionamento muscular, reproduzir inserções musculares no molde), após esta, nós obteremos um novo modelo, o modelo de trabalho, que será utilizado para confecção da prótese total.

Na Moldagem preliminar ou anatômica não realizamos o tracionamento muscular, há a ausência de deslocamento dos tecidos, tanto da área chapeável quanto das estruturas circunvizinhas fundo de saco vestibular, mucosa móvel, com todos os detalhes necessários. Geralmente utilizamos alginato ou godiva, porém o alginato é mais comum.

Obs: Para obter todos os detalhes necessários nós devemos manipular o material na consistência correta. O alginato com muita água fica muito fluido e não serve para a moldagem anatômica. Por isso, ele deve ser manipulado com pouca água (1 de água para 3 de pó), ficando uma massa pesada que quando colocada na boca do paciente escoa e afasta os tecidos, reproduzindo toda a área em torno da área chapeável também.

RECAPITULANDO

Moldagem Anatômica (PRELIMINAR) –> Reprodução estática da área chapeável e estruturas vizinhas –> Confecção do Modelo de estudo –> Confecção da moldeira Individual (para realizarmos a moldagem funcional)

Moldagem Funcional (SECUNDÁRIA) –> Reprodução dinâmica da área chapeável  e estruturas vizinhas –> Confecção do Modelo de trabalho –> Confecção da Prótese Total

 

CONCEITOS

  1. Moldagem: é o ato clínico em que o cirurgião dentista moldara o paciente, empregando seus conhecimentos científicos, o material adequado e o domínio da técnica de moldagem.
  2. Molde: é a reprodução negativa dos tecidos da área chapeável (mucosa, fibromucosa e toda a região de suporte) em uma dada posição, registrada no momento da reação final do material moldador.
  3. Modelo: é a reprodução positiva obtida a partir de um molde, após o vazamento do mesmo com gesso.

 

REQUISITOS PARA MOLDAGEM DO REBORDO EDENTADO

  • Mínima deformação dos tecidos de suporte, na moldagem anatômica
  • Extensão correta da base da prótese, por meio do ajuste da moldeira individual
  • Vedamento periférico funcional, pela espessura e contorno adequado da borda da prótese
  • Contato adequado da base da prótese com o rebordo, através da perfeita reprodução dos tecidos pelo material de moldagem.
  • Reprodução adequada da área chapeável
  • Reprodução minuciosa de detalhes
  • Alívio de Músculos e Inserções
  • Ausência de deslocamento de tecidos
  • Ausência de bolhas e irregularidades

OBS: Uma mínima deformação dos tecidos deve ser obtida por uma moldagem anatômica com material de baixa compressibilidade, como o alginato, e a moldeira individual deve ser ajustada ao modelo anatômico com a finalidade de preservar, durante a moldagem funcional, a arquitetura dos tecidos obtida na moldagem anatômica, especialmente nos casos de mucosa flácida.

Finalidade da Moldagem Anatômica/preliminar:

  • Obter uma cópia da conformação geral da boca
  • Afastar a mucosa móvel ao máximo, recebendo, ao mesmo tempo, as suas impressões no estado de tensão. 

 

TIPOS DE MOLDEIRA

Estoque: Encontradas no mercado, já prontas para o uso, constituídas de metal (geralmente alumínio) ou plástico, e de tamanho padrão. Se adapta ao paciente, por isso tem ela de vários tamanhos.  As Moldeiras lisas são indicadas para godiva e as furadas para alginato e silicone que precisa de retenção.

Individuais: Confeccionada em resina acrílica ativada quimicamente e são fabricadas a partir do modelo de estudo, obtido da moldagem anatômica.

 

SELEÇÃO DA MOLDEIRA DE ESTOQUE

Características das moldeiras para edentados: bacia rasa e cabo biangulado. Permitindo o seu posicionamento correto sobre o rebordo sem deformar inadequadamente as inserções musculares.

Principal critério de seleção: Tamanho e largura

OBS: Uso de um compasso de ponta seca pode medir a largura do rebordo no nível das tuberosidades e facilitar a escolha da moldeira.

Seleção da moldeira

Ocorre por tentativa, cobrir toda a área chapeável, não deve ultrapassar excessivamente o limite posterior do rebordo alveolar (limite palato duro-palato mole na arcada superior à linha vibratória) nem aprofundar demais no fundo de sulco e deve manter um espaço interno de 3 a 5mm entre a moldeira e o material de moldagem, entre a mucosa e a moldeira (é o espaço onde vai ficar exatamente o material de moldagem).

 

MATERIAIS DE MOLDAGEM EM PRÓTESE TOTAL

Requisitos:

  • Tempo de trabalho adequado
  • Grau de plasticidade adequado
  • Alteração dimensional mínima (o alginato sofre muita alteração dimensional, por isso ele deve ser vazado imediatamente após a obtenção do molde)
  • Resistência à fratura (o alginato não tem muita resistência a fratura, mas para áreas desdentadas funciona bem)
  • Inócuo aos tecidos bucais, ou seja, não tóxico

Classificação quanto à finalidade:

  • Fundamental: Obtenção do molde principal.
  • Complementar: Corrigir falhas da área do molde.
  • Duplicador: é o hidrocolóide reverssível é muito usado na PPR, ele é utilizado em laboratório e não na boca do paciente, pode ser reutilizado.

 Classificação quanto às propriedades físicas:

  • Anelásticos: Godiva (apenas em a em placa é utilizada para a moldagem anatômica) e pasta zincoenólica (moldagem funcional).
  • Eásticos: Hidrocolóide Irreverssível (alginato), elastômeros, silicone por adição e condensação, mercaptana.

 

MATERIAIS DE MOLDAGEM MAIS UTILIZADOS NA MOLDAGEM ANATÔMICA

1-Alginato

2-Godiva

3-Silicone

 

1-MOLDAGEM COM ALGINATO (Hidrocolóide irreversível)

Vantagens:

  • Fácil de manipular
  • Produz menos deformações aos tecidos de revestimento do rebordo
  • Boa fidelidade de cópia
  • Facilidade de técnica
  • Barato

Desvantagens:

  • Afastamento deficiente dos tecidos moles (fluido demais) – A consistência deve ser ideal.
  • Escoamento incontrolado (fluido demais) – A consistência deve ser ideal.
  • Sofre compressão pela moldeira
  • Vazamento imediato, pois o alginato não apresenta estabilidade, ele sofre alteração dimensional rápido. Ou ele absorve a umidade, ou perde umidade. Deve ser vazado imediatamente após a obtenção do modelo.

Técnica de Moldagem com Alginato. Passo a Passo:

  • Selecionar moldeiras com perfurações para causar retenção do material à moldeira
  • Moldeira deve ser individualizada, na sua porção periférica (com bastão de cera periférica ou cera utilidade) para dar suporte ao alginato no espaço do fundo de vestíbulo, diminuindo a ocorrência de bolhas e mantendo o material em posição até a presa final. Caso a moldeira não possua extensão suficiente para recobrir toda a área chapeável, incluindo a região de término posterior, esta deve ser individualizada, com acréscimo de cera nessa região.
  • Lubrificar os lábios do paciente com vaselina sólida (pastosa) para facilitar e deixar mais confortável a inserção e retirada da moldeira.
  • Manipular o alginato de acordo com as proporções do fabricante para a confecção do molde que dê origem a um modelo no qual seja possível determinar os limites adequados para a moldeira individual. O alginato também pode ser levado ao fundo de vestíbulo através de uma seringa descartável utilizada para alimentação com sonda nasogástrica.

OBS: Eventualmente, os moldes de alginato apresentam bolhas com pequenas falhas que poderão ser corrigidas com uma segunda moldagem (reembasamento), utilizando-se um alginato mais fluido (com cerca de 50% a mais de água) sobre a primeira moldagem. As retenções que impedem o assentamento do molde sobre o rebordo devem ser removidas e o molde deve ser seco para facilitar a adesão da segunda camada de alginato. Esse procedimento é especialmente recomendado nas moldagens mandibulares.

Vazamento do Gesso: Gesso pedra tipo 2 ou 3 o gesso comum só é utilizado para montar o articulador. É importante ter o aparelho que vibra para evitar bolhas no modelo. Ele é depositado em pequenas porções no molde até preenchê-lo totalmente.

Desinfecção dos moldes de Alginato:

Deve ser feita previamente ao vazamento do gesso, pode ser obtida mantendo-os em um recipiente fechado por 10 minutos e borrifando-se sobre estes uma solução de:

  • Hipoclorito de sódio 1% por 10 minutos
  • Glutaraldeído a 2% por 10 minutos.

OBS: Depois lava em água corrente.

 

2- MOLDAGEM COM GODIVA

A godiva é um material à base de resinas termoplásticas.

Vantagens:

  • Moldar edentados inferiores severamente reabsorvidos
  • Ótimo afastamento dos tecidos moles, da musculatura inserida no rebordo.
  • Adaptável a várias moldeiras
  • Permite correção
  • Baixo custo (é relativo, pois você precisa comprar o plastificador)
  • Possibilita remoções a todo instante.

Desvantagens:

  • Tende a comprimir e deformar mais os tecidos que outros materiais.
  • É um material muito denso e pesado que pode provocar o afastamento demasiado dos tecidos cincundantes, podendo causar sobre-extensão.
  • Difícil manuseio (Precisa de plastificadora de godiva)
  • É muito rígido

OBS: A godiva deve ser utilizada com a ajuda de um aparelho que mantém a água na temperatura adequada para plastificar o material (55 a 60ºC), chamado “plastificador de godiva”.

OBS: Esses aparelhos precisam ser constantemente limpos e desinfeccionados a cada moldagem, com gutaraldeído a 2% por 30 minutos, após a lavagem com água e sabão.

Técnica de Moldagem com Godiva. Passo a Passo:

  • A placa de godiva deve ser plastificada em água quente, em um aparelho chamado de plastificador de godiva, com temperatura controlada de 55 a 60ºC.
  • A placa de godiva deve ser manipulada de forma homogênea e pressionada sobre a moldeira dando uma forma semelhante ao rebordo residual.
  • A moldeira com godiva é então colocada novamente no plastificador com água quente para homogeneizar novamente a temperatura da godiva.
  • Depois é levada a boca do paciente fazendo movimentos simulando o funcionamento do fundo de vestíbulo
  • Após os movimentos pode-se resfriar a moldeira com jatos de ar e retirar o molde da boca.

Desinfecção de moldes de godiva:

Deve ser feita previamente ao vazamento do gesso, imergindo em solução de:

  • Hipoclorito de sódio 1% por 10 minutos
  • Glutaraldeído a 2% por 10 minutos.

 

3-MOLDAGEM COM SILICONE

Indicado em grandes alterações ósseas no rebordo remanescente, o que inclui as reabsorções ósseas severas.

Vantagem em individualizar a moldeira de estoque com silicone pesado para otimizar a cópia do material de moldagem com silicone leve.

Desinfecção de moldes de silicone:

Previamente ao vazamento do gesso, imergindo o molde em uma solução de:

  • Hipoclorito de sódio 1% por 10 minutos
  • Glutaraldeído a 2% por 10 minutos.

OBS: O silicone pode ser usado rotineiramente para moldagens anatômicas das próteses totais, mas pra conseguirmos um melhor resultado em relação a estabilidade e a retenção das PTs, também precisamos realizar a moldagem funcional com moldeira individual.

COMPARTILHE ESTE ARTIGO:

Comente Aqui!

Comentário(s)

Sobre Dr. Daniel Moreira de Bulhões

Cirurgião-Dentista graduado em Odontologia pela Universidade Federal de Alagoas- UFAL. Empresário e sócio proprietário da MOLART, loja de presentes exclusivos e criativos para dentistas. Ex-bolsista CAPES nos Estados Unidos durante o “Brazil Scientific Mobility Program” na University of Kentucky. Foi professor voluntário de Saúde Bucal dos cursos de extensão da Faculdade FACIMA para a Terceira Idade, estagiário do Ministério da Saúde no PET-Saúde, presidente e fundador da Liga de Prótese Dentária, três vezes monitor de Prótese Dentária na Clínica Integrada da UFAL, membro da comissão de tecnologia da informação e comunicação do CRO/AL e Presidente do Centro Acadêmico de Odontologia CAO-UFAL. Se aperfeiçoou em Cirurgia buco dentária, em Odontologia Estética, e atualmente está se aperfeiçoando em Endodontia e Dentística pelo Instituto Odontológico do Nordeste – IDENT. Venceu três prêmios como melhor Blog de Saúde, Cultura e Educação. É autor-responsável pelo Blog Profissão Dentista, Digital Influencer e Webmaster com experiência em Mídias Sociais e Marketing Digital na Odontologia.

Veja Também!

Festa de 07 anos do PROFISSÃO DENTISTA

Como o tempo passou rápido, não foi? Sem perceber, o Blog Profissão Dentista completou 07 ...